Problema resolvido: Saiba como memorizar idiomas e nunca mais esquecer

Vamos ser sinceros, você tem uma boa memória?

rrsrsrsrs

Pois é, se a sua resposta for “Sim, eu tenho uma boa memória” continua lendo esse artigo que eu tenho certeza que ela ficará ainda mais eficiente,

se for “Não, eu não tenho uma boa memória” continua lendo esse artigo também, pois você irá resolver o seu problema de uma vez por todas, mas, ambos os grupos precisam colocar em prática o que está escrito aqui, caso contrário, de nada adiantará a leitura!!!!!

Neste post, eu (Jota Filho) vou te apresentar como memorizar idiomas com um passo simples, que se colocado em prática, se tornarão poderosos e resolverão o seu problema de memória para sempre!!!

Um dos fatores que caracterizam a fluência é um idioma, é justamente o quanto de vocabulário que você sabe desse idioma.

Sendo assim, se você quer se tornar fluente em inglês, além de estudar o inglês é importante levar em consideração entender como funciona o processo de memorização, pois se você estuda e não memoriza, foi o mesmo que não ter estudado.

Eu sei, é triste…

Então é isso, estuda, estuda, estuda e depois esquece tudo?

Leia o artigo, coloque em prática e resolva o seu problema =)

O Segredo da MEMORIZAÇÃO: Processo de Repetição

Imagina se a gente precisasse estudar apenas uma vez…

imagina estudar ou ver cada frase de um idioma apenas uma vez, já memorizar e nunca mais esquecer…

Seria um sonho não é?

Ok, melhor voltarmos para a realidade, sabemos que não é assim que acontece…

Existem algumas exceções de pessoas que apresentam super memória, porém, para pobres mortais como nós, o processo é diferente.

Se você começar a estudar alguma coisa hoje, por exemplo, as chances são que se você não revisar ou praticar este mesmo conteúdo, quando você menos esperar você já terá esquecido tudo o que foi estudado.

E por mais triste que essa realidade seja, acredite ou não, esse processo de “esquecimento” é saudável para o nosso cérebro.

Acontece que somos bombardeados por informações todos os dias, desde uma roupa que usamos, até por propagandas de publicidade espalhadas por todos os locais.

O que acontece é que o nosso cérebro como sistema de defesa, adotou um processo de “seleção de informação”.

Por conta própria, o nosso cérebro começa a identificar quais foram os momentos e as informações mais importantes do nosso dia, e as informações que não foram tão importantes assim.

Tudo isso para que ele não sobrecarregue e gaste energia desnecessária armazenando informações não importantes.

Vamos fazer um teste…

Me diz, o que você comeu no café da manhã hoje?

Lembra?

Bom, é por esse motivo que as vezes mal lembramos o que tomamos no café ou então qual era a roupa que estávamos usando 2 dias atrás.

Acontece que o cérebro não acha que essas são informações importantes e automaticamente eles são “descartadas”, apenas depois de muito esforço é possível lembrar.

Agora ai você deve estar me perguntando…

Bom Jota, se o cérebro joga fora informação menos importante e armazena informações importantes, por que eu não consigo memorizar as coisas que eu acho importante?

Ai que tá!!

Durante esse processo de “seleção de informações” o nosso cérebro começa a descartar informações que seriam úteis junto com as informações inúteis, ele não consegue fazer a diferenciação do que serve e do que não serve por conta própria.

E é ai que entra você na história, porque você precisará auxiliar o seu cérebro e apresentar para ele informações que você deseja memorizar, para que assim o processo de memorização aconteça e o cérebro encare aquelas informações as quais você deseja memorizar, como informações importantes.

Nesse momento você vai passar as informações do lado esquerdo, para o lado direito…

Ou seja, da memória de curto prazo, para o lado da memória de longo prazo.

No cérebro apresentamos estas duas áreas de “armazenamento memorial”, na memória de curto prazo, guardamos apenas informações temporárias, coisas que estamos pensando no momento, ou seja, coisas menos importantes…

Na memória de longo prazo, armazenamos informações da nossa vida, como por exemplo, experiências vividas.

Entendido até aqui, vamos continuar o post!!

Foco, impacto e criatividade

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

Digamos que você está tranquilo em casa (na sua zona de conforto) e de repente começa a estudar inglês (saiu da zona de conforto).

No primeiro momento, o seu cérebro vai encarar aquelas informações do inglês como informações estranhas, e consequentemente, menos importantes.

Então, por conta própria ele vai simplesmente adicionando todas as informações do inglês estudado na sua memória de curto prazo, porém, você precisa apresentar para o cérebro que essas informações na verdade devem estar na memória de longo prazo.

E é ai que vai entrar o processo de revisão, o processo repetitivo, se você simplesmente não entregar mais essa informações para o seu cérebro, ele vai simplesmente esquecer.

Mas se você repetitivamente entregar e relembrar essas informações de maneira regular, ele vai entender que essas informações são informações importantes e ele vai automaticamente passar essas informações do lado esquerdo (memória de curto prazo) para o lado direito (memória de longo prazo).


Como funciona o processo de repetição?

Aqui está a chave do seu processo repetitivo, como você vai saber quando repetir uma informação e o quanto repetir ela?

E é nesse momento que algumas ferramentas vão te ajudar, essas ferramentas são os famosos Sistemas de Repetição Espaçada, ou então, Spaced Repetition System (SRS).

Existem diversas ferramentas de repetição espaçada, porém, a mais utilizada no mundo por estudantes de idiomas e grandes poliglotas é o ANKI.

E é justamente sobre esta ferramenta que vamos falar hoje.

Primeiramente, o que significa a ideia de um Sistema de Repetição Espaçada?


O que é um sistema de repetição espaçada?

Como já te disse aqui no post, em um primeiro momento que o seu cérebro encontra uma informação, o primeiro passo para a memorização é a revisão.

Mas calma, esta revisão tem que ser feita de maneira espaçada e em intervalos de tempo, que farão com que você tenha o contato necessário para memorizar informações, dependendo do seu grau de dificuldade para memorizar cada informação em particular.

Então um sistema de repetição espaçada, vai te entregar essas informação em flash cards (cartas, cartões) e em intervalos de tempo apropriados para você.

Um conjunto de flash cards formam um deck (baralho).

Veja um exemplo de flash card abaixo:

Bom, é nesse momento de revisão que a magia do Sistema de Repetição Espaçada vai acontecer.

Digamos que existam algumas frases em inglês as quais você deseja memorizar.

Em um primeiro momento você vai organizar o seu deck e os seus flash cards, adicionando as informações da mesma forma que está na imagem do flash card acima (da maçã).

Na frente da carta, você vai adicionar a informação que você deseja memorizar:

Frente do cartão – I love you

No verso do cartão você vai adicionar a resposta

Verso do cartão – Eu te amo.

Você vai fazer esse processo com diversos cartões e quando estiver com um número razoável de cartões você precisará fazer as revisões.

Durante o processo de revisão, existirá alguns cartões que você lembrará com facilidade e outros que você não lembrará, e esta é a chave.

Neste momento, você irá poder informar para o sistema de repetição espaçada, o ANKI, por exemplo, quais são as cartas que você está tendo mais dificuldade de memorizar e quais são as cartas que você está tendo facilidade de memorizar.

Sendo assim, o ANKI de maneira automática vai começar a te entregar com maior frequência os cards que você está com dificuldade de lembrar e com menos frequência os cards que você lembrou facilmente, ou seja, que já foram memorizadas.

Esse processo, vai fazer com que o seu cérebro entenda que estas informações revisadas são importantes e ele vai fazer o deslocamento automáticas destas informações do lado esquerdo do cérebro (memória do curto prazo) para o lado direito do cérebro (memória de longo prazo) e é nesse momento que o processo de memorização vai acontecer.

Esse sistema foi desenvolvido por Sebastian Leitner, ele é um alemão.

Por este motivo, esse site é chamado de Sistema Leitner.

Sistema Leitner

Em um passado um pouco remoto, as ferramentas utilizadas era bem reais.

Sebastian Leitner utilizava caixas de sapato e de fato baralhos de cartas para fazer os seus experiementos e estudos.

Hoje, com o avanço da tecnologia, temos o ANKI =)

O ANKI faz tudo isso de maneira mais rápida, automática e simples, te proporcionando memorizar muito e pouco tempo.

Assista abaixo duas aulas sobre o ANKI, que se encontram no meu curso de inglês fechado:

AULA 1 – O que é o ANKI?

AULA 2 – Como Utilizar o ANKI?


Não esqueça de deixar o seu comentário e compartilhar o post com os seus amigos!!

Forte Abraço,
Jota Filho =)

Fontes:
http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/por_que_esquecemos_coisas_.html
https://en.wikipedia.org/wiki/Sebastian_Leitner
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/por-que-esquecemos-as-coisas
http://super.abril.com.br/ciencia/esquecer-lembrar-617874.shtml

  • Nadia Gomes

    Comecei a utilizar o aplicativo Anki, estou adorando.

  • Samuel Silva

    Vou testar esse metodo, espero q funcione ^_^

  • Candeias

    Estou muito animada. Parece ser bom. Vou tentar…